Compartilhar
Informação da revista
Vol. 01. Núm. 11.
Páginas 61-71 (Maio 2020)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 01. Núm. 11.
Páginas 61-71 (Maio 2020)
Acesso de texto completo
Consumo de pimenta chili e mortalidade em adultos italianos
Visitas
...
Marialaura Bonaccioa,e, Augusto Di Castelnuovob,e, Simona Costanzoa,e, Emilia Ruggieroa,e, Amalia De Curtisa,e, Mariarosaria Persichilloa,e, Claudio Tabolaccic,e, Francesco Facchianoc,e, Chiara Cerlettia,e, Maria Benedetta Donatia,e, Giovannide Gaetanoa,e, Licia Iacovielloa,d,e
a Department of Epidemiology and Prevention, IRCCS Neuromed, Via dell´Elettronica, Pozzilli, Itália.
b Mediterranea Cardiocentro, Napoli, Itália.
c Department of Oncology and Molecular Medicine, Istituto Superiore di Sanità, Roma, Itália.
d Department of Medicine and Surgery, Research Center in Epidemiology and Preventive Medicine (EPIMED), University of Insubria, Varese, Itália.
e Em nome dos investigadores do Estudo Moli-sani
Informação do artigo
Resumen
ContextoA pimenta chili faz parte da dieta mediterrânea tradicional. Contudo, dados epidemiológicos sobre a associação entre a ingestão de pimenta chili e o risco de mortalidade são escassos, com falta de estudos com populações mediterrâneas. ObjetivosEste estudo buscou investigar a associação entre consumo de pimenta chili e risco de óbito em uma grande amostra da população geral de adultos italianos, e investigar os mediadores biológicos responsáveis por essa associação. MétodosFoi realizada uma análise longitudinal com 22.811 homens e mulheres incluídos na coorte do Estudo Moli-sani (2005 a 2010). A ingestão de pimenta chili foi estimada pelo Food Frequency Questionnaire (Questionário de Freqüência Alimentar) do EPIC (European Prospective Investigation Into Cancer/Investigação Prospectiva Européia sobre o Câncer) e categorizada como não consumo/consumo raro, até 2 vezes/semana, >2 a ≤4 vezes/semana e >4 vezes/semana. ResultadosAo longo de um seguimento mediano de 8,2 anos, foram apurados 1.236 óbitos. As razões de risco multivariadas (RRs) para mortalidade por todas as causas e por doença cardiovascular (DCV) entre os participantes com consumo regular (>4 vezes/semana) em comparação aos com não consumo/consumo raro foram de 0,77 [intervalo de confiança (IC) 95%: 0,66 a 0,90] e 0,66 (IC 95%: 0,50 a 0,86), respectivamente. O consumo regular também esteve inversamente associado ao risco de óbito por cardiopatia isquêmica (RR: 0,56; IC 95%: 0,35 a 0,87) e por causas cerebrovasculares (RR: 0,39; IC 95%: 0,20 a 0,75). A associação entre consumo de pimenta chili e mortalidade total foi aparentemente mais forte nos indivíduos não hipertensos (valor de p para interação = 0,021). Entre os biomarcadores conhecidos de DCV, apenas a vitamina D sérica foi marginalmente responsável por essas associações. ConclusõesEm uma grande população mediterrânea de adultos, o consumo regular de pimenta chili está associado a um menor risco de mortalidade total e por DCV, independente dos fatores de risco para DCV e da adesão à dieta mediterrânea. Biomarcadores conhecidos de risco para DCV mediaram de forma apenas marginal a associação entre ingestão de pimenta chili e mortalidade.
O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao em potugués

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?

Política de cookies
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.