Compartilhar
Informação da revista
Vol. 01. Núm. 20.
Páginas 92-113 (julho 2022)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 01. Núm. 20.
Páginas 92-113 (julho 2022)
Acesso de texto completo
Intervenções para fragilidade em idosos com doença cardiovascular. Revisão do Estado da Arte do JACC
Visitas
1393
Naila Ijaza, Brian Butab, Qian-Li Xuec, Denise T. Mohessa,d, Archana Bushana,d, Henry Trana, Wayne Batchelora, Christopher R. deFilippia, Jeremy D. Walstonb,c, Karen Bandeen-Rocheb, Daniel E. Formane, Jon R. Resarf, Christopher M. O¿Connora, Gary Gerstenblithb,f, Abdulla A. Damlujia,b,f
a The Inova Center of Outcomes Research, Inova Heart and Vascular Institute, Falls Church, Virgínia, EUA.
b Johns Hopkins Older Americans Independence Center e o Center on Aging and Health, Johns Hopkins University, Baltimore, Maryland, EUA.
c Divisão de Geriatria e Gerontologia, Departamento de Medicina, Johns Hopkins School of Medicine, Baltimore, Maryland, EUA.
d Divisão de Medicina Geriátrica, Departamento de Medicina, Inova Health, Falls Church, Virgínia, EUA.
e Seção de Cardiologia Geriátrica, University of Pittsburgh School of Medicine, Pittsburgh, Pensilvânia, EUA.
f Divisão de Cardiologia, Departamento de Medicina, Johns Hopkins School of Medicine, Baltimore, Maryland, EUA.
Este item recebeu
Informação do artigo
Resumen
RESUMO

Com o envelhecimento da população mundial, grande parte dos pacientes atendidos na prática clínica cardiovascular são idosos, mas muitos pacientes também apresentam sinais de fragilidade física. A doença cardiovascular e a fragilidade são interdependentes e têm a mesma base fisiológica que predispõe à progressão dos dois processos patológicos. A fragilidade pode ser definida como um fenômeno de maior vulnerabilidade a estressores devido à diminuição das reservas fisiológicas em pacientes idosos e, portanto, leva a desfechos clínicos ruins após eventos cardiovasculares. Existem vários mecanismos fisiopatológicos para o desenvolvimento da fragilidade: declínio cognitivo, inatividade física, má nutrição e falta de suporte social; esses fatores de risco oferecem oportunidade para vários tipos de intervenções que visam a prevenir, melhorar ou reverter o desenvolvimento da síndrome da fragilidade no contexto da doença cardiovascular. Não há nenhum estudo convincente que demonstre uma intervenção bem-sucedida para melhorar uma medida global de fragilidade. Dados emergentes de pacientes internados com insuficiência cardíaca indicam que as intervenções associadas a desfechos positivos na fragilidade e na função física são multidimensionais e incluem reabilitação cardíaca personalizada. A prática clínica cardiovascular contemporânea deve identificar ativamente pacientes com fragilidade física que poderiam se beneficiar de intervenções para fragilidade e ter como objetivo fornecer essas terapias em um modelo centrado no paciente para otimizar a qualidade de vida, principalmente após intervenções cardiovasculares. (J Am Coll Cardiol 2022;79:482-503) © 2022 Os autores. Publicado por Elsevier em nome da American College of Cardiology Foundation. Este é um artigo de acesso aberto sob a licença CC BY-NC-ND (http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/).

O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao em potugués
Opções de artigo
Ferramentas

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?