Compartilhar
Informação da revista
Vol. 01. Núm. 20.
Páginas 31-43 (julho 2022)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 01. Núm. 20.
Páginas 31-43 (julho 2022)
Acesso de texto completo
Impacto da autofagia no prognóstico de pacientes com cardiomiopatia dilatada
Visitas
1079
Hiromitsu Kanamoria, Akihiro Yoshidaa, Genki Narusea, Susumu Endoa, Shingo Minatoguchia, Takatomo Watanabea, Tomonori Kawaguchia, Toshiki Tanakaa, Yoshihisa Yamadaa, Nobuhiro Takasugia, Takuma Ishiharab, Atsushi Mikamia, Nagisa Miyazakic, Kazuhiko Nishigakia, Shinya Minatoguchia, Tatsuhiko Miyazakid, Hiroyuki Okuraa
a Departamento de Cardiologia, Gifu University Graduate School of Medicine, Gifu, Japão.
b Centro de Promoção de Pesquisas Clínicas e Inovadoras, Gifu University Hospital, Gifu, Japão.
c Departamento de Medicina Interna, Asahi University School of Dentistry, Mizuho, Japão.
d Departamento de Patologia, Gifu University Hospital, Gifu, Japão.
Este item recebeu
Informação do artigo
Resumen
CONTEXTO

A autofagia é um processo celular que degrada os componentes citoplasmáticos da própria célula para  fornecimento de energia e para manter um ambiente intracelular adequado. O remodelamento reverso do ventrículo esquerdo (RRVE) promete melhorar o prognóstico de pacientes com cardiomiopatia dilatada (CMD).

OBJETIVOS

Os autores testaram a hipótese de que a autofagia está envolvida no RRVE e tem valor prognóstico no coração humano com insuficiência.

MÉTODOS

Utilizando amostra de biópsia endomiocárdica do ventrículo esquerdo de 42 pacientes com CMD (21 com RRVE e 21 sem RRVE) e sete pacientes com função cardíaca normal (controle), os autores realizaram marcação por imuno-histoquímica e por imunofluorescência de cadeia leve 3 da proteína 1 associada a microtúbulos e de catepsina D e observação por microscopia eletrônica, além de morfometria geral através de microscopia óptica.

RESULTADOS

As características clínicas dos pacientes com RRVE foram semelhantes àquelas dos pacientes sem RRVE, exceto para pressão arterial pulmonar e dimensão do átrio esquerdo. Não foi observada diferença na morfometria por microscopia óptica entre as amostras de pacientes com CMD, independentemente da presença ou não de RRVE. A microscopia eletrônica revelou que os vacúolos autofágicos (autofagossomos e autolisossomos) e os lisossomos eram abundantes no interior dos cardiomiócitos de pacientes com CMD. Além disso, os cardiomiócitos de pacientes com RRVE continham um número significativamente maior de vacúolos autofágicos, com maior taxa de autolisossomos e de níveis de expressão de catepsina D, quando comparados aos pacientes sem RRVE. A análise de regressão logística ajustada para idade demonstrou que o aumento do número de vacúolos autofágicos e da expressão de catepsina D foram preditores de RRVE. Os pacientes com CMD que alcançaram o RRVE apresentaram menos eventos cardiovasculares durante o período de seguimento.

CONCLUSÕES

Os autores demonstram que a autofagia é um marcador preditivo útil de RRVE em pacientes com CMD. Isso fornece novas informações patológicas, transformando-as em uma estratégia para o tratamento da insuficiência cardíaca por CMD. (J Am Coll Cardiol 2022;79:789-801) © 2022 pela American College of Cardiology Foundation.

O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao em potugués
Opções de artigo
Ferramentas

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?