Compartilhar
Informação da revista
Vol. 01. Núm. 19.
Páginas 63-72 (Março 2022)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 01. Núm. 19.
Páginas 63-72 (Março 2022)
Acesso de texto completo
Pré-eclâmpsia prediz o risco de hospitalização por insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada
Visitas
...
Dominique Williamsa, Molly J. Stoutb, Joshua I. Rosenbloomc, Margaret A. Olsend, Karen E. Joynt Maddoxa, Elena Deycha, Victor G. Davila-Romana, Kathryn J. Lindleya,c
a Cardiovascular Imaging and Clinical Research Core Laboratory, Cardiovascular Division, Washington University in St Louis, St Louis, Missouri, EUA.
b Department of Obstetrics and Gynecology, Division of Maternal Fetal Medicine, University of Michigan, Ann Arbor, Michigan, EUA.
c Department of Obstetrics and Gynecology, Division of Maternal Fetal Medicine, Washington University in St Louis, St Louis, Missouri, EUA.
d Division of Infectious Diseases, Department of Medicine, Division of Public Health Sciences, Department of Surgery, Washington University in St Louis, St Louis, Missouri, EUA.
Informação do artigo
Resumen
CONTEXTO

A pr??-ecl??mpsia est?? associada ao aumento do risco futuro de insufici??ncia card??aca (IC), mas a rela????o entre pr??-ecl??mpsia e os subtipos de IC n??o est?? bem estabelecida.

OBJETIVOS

O objetivo desta an??lise foi identificar o risco de IC com fra????o de eje????o preservada (ICFEp) ap??s parto complicado por pr??-ecl??mpsia/ecl??mpsia.

M??TODOS

Um estudo de coorte retrospectivo utilizando as State Inpatient Databases do Healthcare Cost and Utilization Project referentes aos estados de Nova Iorque e Fl??rida identificou as hospitaliza????es por parto entre 2006 e 2014 de mulheres com e sem pr??-ecl??mpsia/ecl??mpsia. Os autores identificaram as mulheres internadas por IC ap??s a alta da hospitaliza????o ??ndice por parto at?? 30 de setembro de 2015, utilizando os c??digos diagn??sticos da Classifica????o Internacional de Doen??as - 9?? Revis??o - Modifica????o Cl??nica. O seguimento das pacientes foi feito desde a alta at?? o primeiro caso de desfecho prim??rio (hospitaliza????o por ICFEp), ??bito ou fim do per??odo de estudo. Os desfechos prim??rios inclu??ram hospitaliza????o por qualquer IC e IC com fra????o de eje????o reduzida, separadamente. A associa????o entre pr??-ecl??mpsia/ecl??mpsia e ICFEp foi analisada utilizando modelos de risco proporcional de Cox.

RESULTADOS

Foram inclu??das no estudo 2.532.515 mulheres: 2.404.486 sem e 128.029 com pr??-ecl??mpsia/ecl??mpsia. A probabilidade de hospitaliza????o por ICFEp foi significativamente maior em mulheres com pr??-ecl??mpsia/ecl??mpsia, ap??s ajuste para hipertens??o basal e outras covari??veis (raz??o de risco ajustada [aHR, de adjusted hazard ratio]: 2,09; intervalo de confian??a de 95% [IC95%]: 1,80-2,44). A mediana do tempo at?? o in??cio da ICFEp foi de 32,2 meses (intervalo interquartil: 0,3-65,0 meses), e a idade mediana no in??cio da ICFEp foi de 34,0 anos (intervalo interquartil: 29,0-39,0 anos). Tanto os fatores de risco tradicionais (hipertens??o, diabetes melito) quanto os sociodemogr??ficos (ra??a negra, ruralidade, baixa renda) estiveram associados a ICFEp e aos desfechos secund??rios.

CONCLUS??ES

Pr??-ecl??mpsia/ecl??mpsia ?? um fator de risco independente para futuras hospitaliza????es por ICFEp. (J Am Coll Cardiol 2021;78:2281-2290) ?? 2021 pela American College of Cardiology Foundation.

O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao em potugués

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?