Compartilhar
Informação da revista
Vol. 01. Núm. 07.
Páginas 71-87 (Junho 2019)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 01. Núm. 07.
Páginas 71-87 (Junho 2019)
Acesso de texto completo
Microbiota intestinal na saúde e doença cardiovascular. Revisão do Estado da Arte do JACC
Visitas
13
W.H. Wilson Tanga,b,c, Fredrik B??ckhedd,e, Ulf Landmesserf, Stanley L. Hazena,b
a Center for Microbiome and Human Health, Lerner Research Institute, Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio, EUA.
b Department of Cardiovascular Medicine, Heart and Vascular Institute, Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio, EUA.
c Center for Clinical Genomics, Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio, EUA.
d University of Gothenburg, Gothenburg, Suécia.
e Novo Nordisk Foundation Center for Basic Metabolic Research and Section for Metabolic Receptology and Enteroendocrinology, Faculty of Health Sciences, University of Copenhagen, Copenhagen, Dinamarca.
f Charité Universitätsmedizin Berlin, Berlin Institute of Health (BIH), Berlin, Alemanha e German Center for Cardiovascular Research (DZHK), Berlin, Alemanha.
Este item recebeu
13
Visitas
Informação do artigo
Resumen
Resumo Apesar de grandes avanços na redução do ônus da doença cardiovascular (DCV) com a modificação dos fatores clássicos de risco de DCV, riscos residuais significativos persistem. Descobertas recentes que ligavam microbiota intestinal e DCV têm ampliado a nossa compreensão de como os nutrientes alimentares podem afetar a saúde e a doença cardiovascular. Embora a última geração de técnicas de sequenciamento possa identificar os participantes da comunidade microbiana intestinal e dispor de ideias sobre as mudanças da composição microbiana em retorno a respostas fisiológicas e exposições alimentares, disposições sobre prebióticos ou probióticos ainda precisam demonstrar benefício terapêutico para a DCV. A nossa compreensão cada vez maior sobre moduladores fisiológicos derivados da microbiota intestinal (por exemplo, ácidos graxos de cadeia curta) e mediadores patogênicos (por exemplo, N-óxido de trimetilamina) de suscetibilidade à doença do hospedeiro tem criado oportunidades terapêuticas possíveis para melhorar a saúde cardiovascular. Esta revisão discute as funções da microbiota intestinal humana na fisiologia normal, suas associações com susceptibilidades da DCV, e o potencial de modular a composição da microbiota intestinal e o metabolismo como um novo alvo terapêutico para DCV. (J Am Coll Cardiol 2019;73:2089–105) © 2019 pela American College of Cardiology Foundation.
O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao em potugués

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?

Política de cookies
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.