Compartilhar
Informação da revista
Vol. 1. Núm. 4.Novembro 2018
Páginas 1-82
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 1. Núm. 4.Novembro 2018
Páginas 1-82
Acesso de texto completo
Desfechos de longo prazo após uso ou não de circulação extracorpórea em cirurgia de revascularização miocárdica por cirurgiões experientes
Visitas
203
Joanna Chikwea, Timothy Leeb, Shinobu Itagakib, David H. Adamsb, Natalia N. Egorovac
a Department of Cardiovascular Surgery, Icahn School of Medicine at Mount Sinai, Nova York, Nova York; Department of Surgery, The State University of New York, Stony Brook, Nova York, Nova York;
b Department of Cardiovascular Surgery, Icahn School of Medicine at Mount Sinai, Nova York, Nova York;
c Department of Population Health Science and Policy, Icahn School of Medicine at Mount Sinai, Nova York, Nova York.
Este item recebeu
203
Visitas
Informação do artigo

CONTexTO Os benefícios de longo prazo do uso ou não de circulação extracorpórea (CEC) em cirurgia de revascularização miocárdica (CRM) são controversos.

ObjeTIvOs Os autores buscaram comparar sobrevivência e morbidade em longo prazo após CRM com versus sem CEC.

MéTOdOs Registros administrativos e médicos obrigatórios do Departamento de Saúde de New Jersey, EUA, foram conectados de modo a identificar pacientes que foram submetidos a CRM entre 2005 e 2011, por cirurgiões que haviam realizado pelo menos 100 operações de CRM com ou sem CEC. Sobrevida, acidentes vasculares cerebrais (AVCs), infartos do miocárdio, novas revascularizações e novas necessidades de diálise foram comparadas utilizando a modelagem de Cox, escores de propensão e análise de variáveis instrumentais. O acompanhamento médio foi de 6,8 anos (intervalo: 0 a 11,0 anos); a última data de acompanhamento foi 31 de dezembro de 2015.

ResuLTAdOs Entre 42.570 pacientes de CRM, 6.950 dos que foram submetidos a CRM sem CEC e 15.295 dos que foram submetidos a CRM com CEC encaixaram-se nos critérios do estudo. A CRM sem CEC foi associada a uma mortalidade maior [33,4% vs. 29,6% em 10 anos; razão de risco (RR): 1,11; intervalo de confiança de 95% (IC): 1,04 a 1,18; p = 0,002] em comparação com CRM com CEC. A CRM sem CEC foi associada a um risco aumentado de revascularização incompleta (15,7% vs. 8,8%; p < 0,001), o que foi um preditor de mortalidade tardia (RR: 1,10; IC 95%: 1,03 a 1,17%; p = 0,006); e taxas maiores de nova revascularização (15,4% vs. 14,0% em 10 anos; RR: 1,17; IC 95% 1,01 a 1,37; p = 0,048). Não houve diferenças significativas na taxa de AVCs, infartos do miocárdio ou nova diálise.

CONCLusões Neste registro clínico obrigatório, o não uso de CEC foi associado ao aumento de revascularizações incompletas, novas revascularizações e mortalidade em 10 anos em comparação com a CRM com CEC, o que sugere que a CRM com CEC pode ser a opção mais adequada para pacientes submetidos a revascularização cirúrgica. (J Am Coll Cardiol 2018;72:1478–86) © 2018 Publicado por Elsevier em nome da American College of Cardiology Foundation.

Palavras-chave:
revascularização coronária, ponte de artéria coronária sem circulação extracorpórea, ponte de artéria coronária com circulação extracorpórea
O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao em potugués

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?

Política de cookies
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.